Muitos que buscam viver em Portugal como aposentados ou investidores,  iniciam o planejamento da mudança pensando primeiro na moradia, custos de vida, plano de saúde, etc, porém, acabam esquecendo da parte fiscal. Pensando nisso, vamos te contar aqui sobre o custo do imposto com o visto D7 Portugal, para que o tema também entre no seu planejamento.

O que é e para quem se aplica o visto D7?

O visto D7 é aquela modalidade de visto destinada às pessoas que são titulares de rendimentos, que poderão ser rendimentos oriundos de aplicações financeiras, aluguéis de imóveis, pensões, aposentadorias, ou, até mesmo, para aqueles que trabalham remotamente, recebem royalty de direitos autorais, entre outras opções.

Em outras palavras, se você é um(a) felizardo(a) que possui a possibilidade de viver de renda, saiba que você poderá viver de renda em Portugal.

Se você é uma dessas pessoas e está pensando em viver em Portugal com o visto D7, você deverá atender aos seguintes requisitos para poder fazer o pedido do seu visto:

  1. Comprovação da renda que você irá utilizar para viver em Portugal, lembrando que se você for levar os membros da sua família – por reagrupamento familiar – você deverá acrescentar valores que irão cobrir as despesas para todos os membros da sua família;
  1. Disponibilidade de recursos em Portugal, ou seja, você precisará ter uma conta aberta em um banco português, onde você deverá depositar um valor equivalente a 1 ano de salário mínimo português;
  1. Comprovante de alojamento em Portugal, para demonstrar onde você irá residir em Portugal, que pode ser um contrato de aluguel, uma escritura pública (se você já for titular de um imóvel), ou uma carta convite de alguém que já reside em Portugal.

Acesse aqui a página da Nacionalidade Portuguesa Assessoria para obter maiores informações