Empresa chegou a acerto de 19 anos por energia gerada pelo parque solar de Lagoa, na Paraíba, que deve começar a operar em 2022

 

A EDP Renováveis (EDPR), com sede na Espanha e controlada pela EDP portuguesa, chegou a acordo de 19 anos para compra e venda de energia gerada pelo parque solar de Lagoa, na Paraíba, que deve começar a operar em 2022.

De acordo com o anúncio feito nesta segunda-feira pela companhia de eletricidade à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) de Portugal, a usina brasileira terá uma capacidade total de produção de 66 megawatts.

Segundo a EDPR, este novo projeto solar “aumenta a diversificação tecnológica do portfólio da EDPR”, cuja capacidade solar em 2022 deverá atingir 1,3 gigawatts, segundo previsões.

O negócio soma-se a outros semelhantes anunciados anteriormente pela EDP Renováveis para o Brasil, como um complexo solar a ser implementado no Rio Grande do Norte e um parque solar em São Paulo, ambos viabilizados também com contratos privados.

O Brasil tem assistido recentemente a um forte crescimento do número de projetos de energia renovável ancorados na venda da produção futura no chamado mercado livre de eletricidade — em que grandes clientes, como indústrias, podem negociar o suprimento diretamente com geradores e comercializadoras.

“Com esse novo contrato, a EDP reforça sua presença em um mercado com um baixo perfil de risco, por meio do estabelecimento de contratos de longo prazo, de recursos renováveis atrativos e sólidas perspectivas de médio e longo prazo”, disse a EDP Renováveis em comunicado.

A elétrica focada em renováveis tem uma meta estratégica de aumentar sua capacidade global em 7 gigawatts até 2022, dos quais 5,3 gigawatts estão assegurados por projetos já anunciados, incluindo o novo negócio solar no Brasil, acrescentou a empresa.

Além de uma subsidiária local da EDP Renováveis, a EDP controla no país a EDP Energias do Brasil, com negócios em geração, transmissão e distribuição de eletricidade.

 

Fonte: EXAME